Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No Habitat de uma Introvertida

Aqui partilho com o mundo tudo o que me inspira e faz parte da minha vida criativa. E se és introvertido/a é provável que aqui te sintas em casa. "I have no special talents. I am only passionately curious." - Albert Einstein

No Habitat de uma Introvertida

Aqui partilho com o mundo tudo o que me inspira e faz parte da minha vida criativa. E se és introvertido/a é provável que aqui te sintas em casa. "I have no special talents. I am only passionately curious." - Albert Einstein

Seg | 22.10.18

Os Introvertidos e a Tristeza

Sandra Sequeira

post Outubro.jpg

 

Oh, Sandra...

 

Que assunto mais triste!!!...

 

Well... Este tema foi-me sugerido por uma querida seguidora/amiga e já estava em falta com ela a long time ago (custou a acontecer mas, cá está)!

 

A ideia surgiu um pouco do "mito" de os introvertidos parecerem tristes, andarem tão sozinhos e tal...

 

Quando ela me falou nisto, automaticamente, o meu cérebro foi buscar um momento e uma frase, há muitos anos "enterrados", que vieram à superfície, à velocidade da luz.

 

Certa tarde, um adulto, que me era próximo, disse-me: "Tu pareces uma criança triste..."

 

...

 

O comentário deixou-me, obviamente, sem saber o que responder, como deixaria qualquer uma pessoa não adulta, mas já com a sua personalidade, ideías e questões... Mas, confesso que, no fundo, eu sabia que o comentário tinha fundamento.

 

Só não sabia o porquê!!!

 

Eu, desde cedo, sentia-me "diferente". Sentia que não "encaixava". Sentia-me "desenquadrada". 

 

E, desde cedo, tinha já uma necessidade enorme de profundidade em tudo e, por isso, guardava muito para mim, como defesa da superficialidade com que o mundo e as pessoas funcionavam.

 

Claro que não tinha esta perceção clara. Tinha era muitas questões, muitas dúvidas e a sensação de "não pertencer".

 

Never feeling good enough!

 

Se este é o "fardo" de todos os introvertidos, eu não sei. Mas este era o meu.

 

E a minha "protecção" era preservar-me e parecer impessoal, sem ter nada a acrescentar nos debates (lembram-se do post em que disse que o Diretor de Turma fez queixa de mim que eu não falava nas aulas?...).

 

Eu podia dizer que a Tristeza nos Introvertidos é um mito...

 

E a minha primeira reação seria dizer isso mesmo!

 

Verdade seja dita, nós divertimo-nos muito, mas não fazemos propriamente questão que todo o mundo saiba... 

 

O gostarmos de estar sozinhos, pode parecer estranho para quem não gosta, mas é autêntico!

 

E vivemos intensamente as emoções do lado de dentro, apesar de podermos parecer pouco entusiasmados no que toca a demonstrá-lo.

 

Mas mentia se dissesse que não sofri muito pela dificuldade que tinha em fazer amigos.

 

Mentia se dissesse que não sofri por criar "muralhas" enormes quando gostava de algum rapaz, só para ele não perceber o que eu sentia.

 

Mentia se dissesse que ser Introvertido é a coisa mais divertida do mundo!

 

Não. Não é.

 

E eu levei muitos anos para gostar de ser como sou. Levei muitos anos a sentir-me bem na minha pele e a aprender a disfrutar muito disso.

 

Eu tinha a minha alegria, normal de qualquer criança, adolescente... mas era uma alma triste, de facto. Com demasiados pesos na minha mente para a idade que tinha. 

 

Isso tudo, com o passar dos anos, foi-se tornando gradualmente mais leve. 

 

Costumo dizer que nasci uma velha (com o peso de uma vida) que está a ir para bébé (alegria sem constrangimentos).

 

Se é assim com todos os introvertidos? Se calhar não. Mas é assim que tem sido comigo.

 

Eu acho que tenho a sorte de ser uma curiosa e ter tido conhecimento deste conceito de ser Introvertida. 

 

Ajudou-me a desmistificar muitas das limitações que eu achava que tinha e a desvalorizar muita da culpa que eu sentia, apenas por ser como era.

 

Acredito que isto não é assim com todos... E, em muitas situações, há motivos para família e amigos se preocuparem com alguém que se revele triste e isolado.

 

É sempre bom estarem atentos e o principal é terem uma mente aberta o suficiente para que uma pessoa introvertida se sinta segura para partilhar o que sente e o que se passa no seu dia-a-dia.

 

(Infelizmente, mesmo inconscientemente, muitos adultos incutem às crianças esta necessidade de se isolarem por não se sentirem aceites exatamente como são... o que provoca sérias feridas emocionais, que só na idade adulta são detetadas e curadas, ou não...)

 

Mas num introvertido "saudável" acostumem-se a que eles não partilhem as coisas mais profundas convosco.

 

Simplesmente temos um MUNDO bem nosso, que só partilhamos com pessoas que sentimos estar na nossa "frequência". 

 

Na verdade, nós temos tanto para dizer... Mas quando percebemos que não vamos ser compreendidos. quando percebemos que as nossas idéias vão parecer completamente "fora da caixa", nós preferimos estar calados.

 

E depois há a própria dificuldade em articular isso por sons, que é como quem diz: palavras a sair pela boca fora. 

 

Somos akward, and that is ok (that´s why I write)! 

 

Se calhar, o semblante "pesado" dos introvertidos, é apenas a total transparência das tantas vezes que nos sentimos frustrados, por sentirmos que o mundo lá fora é tão diferente do que vivemos do lado de dentro.

 

Somos eternos outsider´s neste mundo que valoriza a exposição, a acção, a competição...

 

E um introvertido não se sente motivado com nada disso.

 

Nós queremos profundidade em cada coisa simples.

 

We are the wanderers, the searchers, the daydreamers!

 

So let us be!!!

 

Nós não somos tristes. Mas reside em nós a tristeza do mundo parecer tão mais cinzento do que nós sabemos que ele é, em todo o seu potencial.

 

O desafio dos introvertidos é saber transpor os próprios limites para trazer ao mundo todas as cores que vivem dentro de nós...

 

So, if you feel you are an Introvert... BE BRAVE AS MUCH AS YOU CAN, but don´t feel guilty if you just want to be in your cave ;)

 

 

Imagem: No Habitat de uma Introvertida

 

16 comentários

Comentar post